Publicado originalmente no meu outro site, TudoSobreImpressão.

Essa é uma novidade especial pra você que tem uma pequena gráfica rápida ou que faz produtos para festas (convites, lembrancinhas, adesivos e afins). Agora você pode aceitar cartões de crédito mesmo sendo pessoa física (sem CNPJ). Saiba como.

O PagSeguro acaba de lançar uma novidade muito legal pra você que é autônomo, tem uma pequena gráfica ou trabalha em casa. Se você tem um smartphone com Android ou iOS (iPhone, iPad) agora você pode aceitar cartões de crédito de seus clientes. Está mais do que comprovado que a aceitação de cartões de crédito estimula o seu cliente a gastar um pouco mais, e elimina o problema com o calote especialmente se o seu cliente quiser pagar em parcelas.

Para quem não conhece, o PagSeguro é uma empresa do UOL que permite a lojistas e vendedores autônomos aceitarem pagamentos via boleto, transferência online e cartão de crédito. Tradicionalmente o PagSeguro está disponível somente através de lojas virtuais e através de cobranças manuais enviadas pelo vendedor para o e-mail do cliente. O cliente então faz o pagamento, o PagSeguro confirma a transação e o dinheiro vai para a conta no PagSeguro, que pode ser então direcionado para uma conta bancária após 14 dias. Duas vantagens do PagSeguro são a não existência de mensalidade (já que não há maquininha) e a não exigência de CNPJ. Você pode operar como vendedor autônomo usando apenas o seu CPF. Também não é obrigatório ter conta corrente, você pode usar uma conta poupança desde que ela esteja em seu próprio nome.

E a grande novidade do PagSeguro agora é o leitor de cartões de crédito operando em conjunto com um aplicativo instalado em seu smartphone. Com esse leitor você pode passar os cartões de crédito (no momento não há como aceitar cartões de débito) de seus clientes e receber o pagamento em sua conta do PagSeguro em poucos dias. Se você não tem um smartphone, já está na hora de trocar por um – existem aparelhos com Android a partir de R$ 350.

Quanto custa?

  • O leitor pode ser adquirido diretamente no site do PagSeguro por R$ 118,80 (em 12x sem juros) pagos uma única vez – não há mensalidade ou aluguel. Também há a possibilidade de passar as vendas sem o leitor.
  • A taxa de venda varia entre 3,59% e 5,49% dependendo do prazo em que você quer receber o valor (2, 14 ou 30 dias) e da forma como o cartão foi passado: usando o leitor (taxa menor) ou digitando os dados (taxa maior) para os casos em que o cliente não pode ir até você ou vice-versa.
  • As cobranças enviadas por e-mail através do site do PagSeguro ou realizadas em sua loja virtual têm uma taxa fixa de 4,99%.
  • As vendas parceladas terão um acréscimo de 1,99% ao mês para o cliente, ou seja, é um parcelamento com juros. Você pode oferecer o parcelamento sem juros mas neste caso os juros serão cobrados de você.O PagSeguro esclareceu que no momento não há como oferecer parcelamento sem juros nesta modalidade, mas se houvesse quem arcaria com os custos destes juros seria você.
  • Não há taxas para transferir o dinheiro para sua conta bancária depois que ele for liberado.
  • Seu smartphone deve ter um pacote de dados (pré, controle ou pós) ou acesso à rede Wi-Fi no local onde a venda será efetuada para que a confirmação da venda seja feita.

Você pode consultar a tabela detalhada de tarifas depois que se cadastrar no PagSeguro. Além disso eles oferecem simuladores para que você possa avaliar os custos desse tipo de venda e fazer simulações de valores para seus clientes.

Mas essa taxa é muito alta, meu preço não me permite aceitar cartões!

Calma. Os cartões de crédito oferecem uma enorme conveniência para os clientes e para os lojistas mas essa conveniência tem um custo. O custo de se realizar vendas com cartões de crédito deve, portanto, ser considerado na hora de calcular o seu preço de venda, assim como os seus outros custos de energia elétrica, aluguel, despesas, etc. Em geral aumentar o preço em 5% é suficiente para cobrir isto, mas se possível faça um levantamento detalhado dos seus custos para saber exatamente o quanto você ganha em cada venda. Se você não sabe calcular custos, procure algum curso ou apostila online ou fale com os consultores do Sebrae.

Se ainda assim você acha difícil justificar esse custo, pense em quanto você gasta manuseando cheques a vista ou pré-datados (mesmo que eles tenham fundos) e no quanto você perde com o calote. Lembre-se que ninguém é obrigado a aceitar pagamentos a prazo, mas o cartão oferece conveniência e garantia pra você.

Compartilhe por aí